Não fui feita para ser dona de casa perfeita!

Em plena mudança da minha vida, deparo-me com esta realidade tão intensamente próxima: sou dona de casa… e agora? Dona de casa perfeita? Que máscara, que papel é este? Se eu não cuidar de mim, quem cuidará?

Procuro razões no exterior para justificar o caos interior. Tantas voltas fora para compreender que é dentro onde encontro a saída.

Para além de tudo o mais, tenho de cuidar de minha casa, tenho de cuidar de mim, tenho de cuidar do meu trabalho, tenho de cuidar das plantas, da minha gata e, quase em pânico, pergunto-me: “E aquelas mulheres corajosas que, para além de tudo o referido anteriormente, ainda têm de cuidar dos seus filhos e dos seus pais?”.

Uauuuuuu respeito profundo é o que sinto. Um comunicado profundamente realista bate à porta da minha mente: “Não somos super mulheres”. E melhor ainda…“Não temos de ser super mulheres nem preciso de ser uma dona de casa perfeita!”.

Ahhh, e eu que adorava perfeição…

A roupa perfeita.

A limpeza perfeita.

A arrumação perfeita.

A decoração perfeita.

A energia perfeita.

O ambiente perfeito.

A casa perfeita.

O trabalho perfeito.

O amor perfeito.

A saúde perfeita.

Os filhos perfeitos.

Os pais perfeitos.

A vida perfeita!

Que vida tão perfeita e tão desprovida de Vida! Que aborrecimento ser dona de casa perfeita, ter de cumprir tantos deveres e obrigações e manter tudo perfeito. Que cansaço! Socoroooooooooooo.

 

Que desespero! Tanta roupa… as compras, a comida… pensar no que vou cozinhar hoje! Que cómico! Confesso que fui feita mais para estudar, para criar, para voar, do que para ser dona de casa.

Que energia de prisão. Porquê? Porque quero tudo perfeito. Quero ser a mulher e dona de casa perfeita, como num circo, o malabarismo de equilíbrio em que temos que manter tudo nas mãos… até ao momento que tudo cai ao chão!

Não fui feita para ser dona de casa perfeita!

Ahhh fui feita para ser feliz, para me divertir, para rir e chorar a rir! Fui feita para estar com as minhas amigas, para permitir o prazer vir visitar-me todos os dias! Quase, quase, me deixava prender pelas expetativas irrealistas de perfeição.

Por isso hoje…

Hoje é dia de caos, é dia de não cumprir horários. É dia de dançar ao som de música clássica. De passar à música pop e terminar na música brasileira. De dançar e libertar-me de tanta perfeição. Hoje é dia de ser livre e cozinhar com o coração. Cozinhar em forma de coração! Ser criativa.

dona-vida
Quero ser dona da minha casa (vida)

Voar e dar-me liberdade de cantar, mesmo quando a minha voz é aquele fenómeno não exemplar. Haja liberdade de Ser. E ser dona de casa… Hmm, ser dona de casa, é isso mesmo: é ser dona da minha casa, da minha vida. É refletir sobre o que é prioritário para mim!

“Somos o que comemos”: É decidir a minha saúde, os alimentos que cozinho com amor.

“Somos o que pensamos”:  É o meu estado de espírito, os pensamentos que escolho ter a cada dia. 

“Deus vive nos imprevistos”: Quero ter a minha vida toda controlada, planeada em cada minuto?

“Somos o que sentimos”: Pretendo sentir pressão a cada momento ou felicidade e alegria de viver?

“Somos o divino em nós”: Quero fazer o que é suposto fazer socialmente ou descobrir-me a cada momento único e especial?

Sou uma dona de casa moderna

Já não preciso de ser uma dona de casa perfeita. Só preciso de ser autêntica e perguntar-me a cada momento:

  • O que me apetece fazer?
  • Como me posso sentir cada vez mais confortável?
  • O que é prioritário?
  • O que me faz feliz?
  • Quem sou eu a cada momento?
  • Quem quero ser?

 

liberdade

E desde que tenho este estado de espírito, que sei que vou ser a dona de casa mais feliz do mundo! Porque eu sou a dona da minha vida. Não sou escrava do dever, nem do que tem de ser, nem tão pouco das minhas expetativas de perfeição. Sou humana. Sou bela. Sou perfeita nas minhas loucuras e particularidades.

Tal como tu. O que aconteceria se vivesses de acordo com as tuas vontades mais profundas? O que seria o pior que te poderia acontecer? E o que seria o melhor que te poderia acontecer?

Arrisca, Mulher!

Arrisca mostrar essa beleza oculta por detrás das obrigações, das feridas, dos medos. Resgata o teu lado selvagem. Diz “sim” a ti própria.

Todas nós temos anseio pelo que é selvagem. Existem poucos antídotos aceites pela nossa cultura para esse desejo ardente. Ensinaram-nos a ter vergonha desse tipo de aspiração. Deixamos crescer o cabelo e usamo-lo para esconder os nossos sentimentos. No entanto, o espectro da Mulher Selvagem ainda nos espreita de dia e de noite. Não importa onde estejamos, a sombra que corre atrás de nós tem decididamente quatro patas.

Estés, Clarissa Pinkola. Mulheres que Correm com os Lobos.

Quem és tu na realidade? Quem queres ser? RAINHA das tuas vontades ou Gata Borralheira e escrava das tuas obrigações?

“Set yourself free” | “Liberta-te”

 Reina-te e assume a dona de casa poderosa e selvagem que habita aí dentro! Olhos nos olhos: Sê Poderosa! Sê Abundante para Ti!

Se te sentes pronta a dizer “sim”, inscreve-te no meu workshop “Ultrapassa os Bloqueios que te Imepedem de Manifestar o teu Máximo Potencial de Abundância” onde te revelo os segredos para desbloqueares sem esforço.

4 comentários em “Não fui feita para ser dona de casa perfeita!”

  1. Gostaria tanto de me libertar disso tudo, mas apesar das minhas limitações físicas, tenho que fazer o que menos gosto. Também tenho medo que a casa me caia em sima.
    Detesto ter que manter tudo em ordem apesar de não podsr, mais de não gostar, de não ter tempo para mim os outros, ainda os outros e mais os outros.

    Responder
    • Grata querida Fernanda, pelo teu comentário.
      Viver aprisionadas é algo que trazemos enraizado desde há muito.
      Como podes libertar-te? Essa é a questão que te poderá ajudar a dar o salto para uma vida de liberdade e abundância.
      Um forte abraço 🙂

      Responder
  2. Andreia,

    Percebo perfeitamente o que queres dizer, quando as coisas são feitas por obrigação é tudo uma valente maçada. Não sei se é defeito ou qualidade mas “cuidar” da minha família, tornar o ambiente da casa agradável e cozinhar com o coração é para mim uma forma de terapia, é o amor que trabalha e não a obrigação. Claro que a minha vida não se resume a isto, há outras coisas que também me dão muito prazer. Se quiseres comentar esta minha mania de cuidar dos outros, fico à espera do teu comentário, agradeço. Bjos

    Responder
    • Grata pelo teu comentário Anabela.
      É verdade que somos educadas a cuidar de outros e isso dá-nos imenso prazer. O único a acrescentar é colocar-te como prioridade também nessa lista! Quais os teus sonhos? O que mais desejas ver materializado na tua vida? E permite-te sonhar 😉 abraço imenso

      Responder

Deixe um comentário

error: Content is protected !!