O Dinheiro (e a falta dele) ao Serviço de Deus

“Ein Od Milvado”, é uma expressão hebraica que significa “Não há outro além d’Ele”. Significa que tudo o que existe no Universo é Obra dessa Inteligência Suprema, que muitos chamamos Deus, Criador, Vida, Universo…

Esta é um dos ensinamentos da Torá, o livro das escrituras sagradas do Judaísmo. E não, não me converti ao Judaísmo, acontece que tenho um grande amigo apaixonado por esta religião e eu adoro conhecer novas perspetivas, principalmente aquelas que tocam o meu coração.

Desde jovem que me questionava porque haveria tantas religiões, e porque lutavam entre elas, se o grande significado de Deus era Paz e Amor. E é curioso, no meu altar espiritual, está uma lembrança que a minha avó trouxe de Fátima, que diz isso mesmo: “Deus é Amor”. E Amor é União, Compreensão, Empatia, Transcendência.

E agora deves estar a perguntar-te: “Muito bem Andreia, e que tem isso a ver com o dinheiro?” E eu digo-te: “Tem tudo a ver com o dinheiro, aliás tem tudo a ver com tudo!” E sem querer ferir suscetibilidades religiosas, vou explicar.

A população portuguesa, segundo os censos de 2011, é maioritariamente católica, constituindo cerca de 81% da população, dando à Igreja Católica uma grande influência junto da sociedade. E se estudamos as referências ao dinheiro e a posição da igreja em relação ao dinheiro, encontramos o problema.

É mais fácil um camelo entrar no buraco de uma agulha, do que um rico entrar no Reino dos Céus”, encontramos na Bíblia. Não vou discutir aqui se é verdade ou não que Jesus disse isto, ou se o significado seria outro aquele que compreendemos literalmente. 

A verdade é que, esta frase, assim como: “Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e serei salvo.” (Mateus 8, 8) Não são nem empoderadoras, nem reflexo do Deus em que eu acredito: O Deus que é Amor. Crescimento. Expansão. Integridade. Do Deus que é TUDO. Que abraça Tudo.

A Igreja Católica conta-nos a história do pecado original que trouxe uma carga de culpa enormíssima à humanidade. A culpa é daquelas emoções que foi claramente criada pelo Ser Humano, pela Igreja, arriscaria eu a dizer, como forma de controlo das massas.

Se fizermos acreditar que há o Bem e o Mal, o correto e o incorreto, teremos então pecados e a culpa que é corrosiva e desempoderadora. A pessoa acredita que fez algo errado, sente culpa e atrai para si o castigo que foi ensinada a acreditar que merece. Nada disto faz sentido quando começamos a desenvolver-nos espiritualmente e a compreender, sentir que Deus é Amor, Deus é Liberdade. Como pode Deus ser o todo Misericordioso e, ao mesmo tempo, ser o Pai Severo que castiga os seus filhos?

Não faz sentido. E pior, que tipo de Vida vamos viver quando acreditamos nestas pressuposições? As crenças, a perceção que temos sob determinado assunto, são sempre questionáveis. Nunca há uma verdade absoluta, agora temos a responsabilidade de escolher em que acreditamos. E, na minha visão positivista da vida, acredito que viveremos mais felizes e uma vida mais plena, se acreditarmos naquilo que nos faz bem. E viver uma Vida Feliz, é o que eu acredito que Deus quer para nós.

A Igreja Católica e outras levaram-nos a acreditar numa separação entre Nós e Deus. Entre nós e o Dinheiro. Pelo contrário, quando nos debruçamos sobre a expressão: “Ein Od Milvado” = “Não há outro além d’Ele”, compreendemos a verdade espiritual que Deus é o Criador. E adoro a visão unificadora de que Deus é Luz e Sombra, ele é o Supremo de Tudo. Inclusivé, o Demónio, o Medo, a Sombra, fazem parte do Plano de Deus e do contraste e da dualidade que foi criada para possibilitar a Vida.

Agora o que sim é importante integrar, é que o espiritual, o amor, Deus, a Luz é mais forte que a matéria, o medo, Demónio, a sombra. Mas tudo faz parte de Deus.

E desde esta visão, também o Dinheiro é parte de Deus, também a Riqueza, o Sucesso, a Ambição. É só preciso ter atenção para não violar os princípios da Integridade, do Caracter, do Amor ao Próximo.

Tu és Digna, Tu és Digno. Deus Ama-te e É Feliz quando Tu és Feliz. Não te limites. Tu és capaz de muito mais do que aquilo que possas imaginar. Tudo que acontece, seja o coronavírus, uma catástrofe natural, seja a falta de dinheiro na tua vida ou o excesso, tudo isso é reflexo de um Plano Maior. E o teu papel é descobrir o teu lugar e a tua responsabilidade. E a tua responsabilidade passa por escolher aquilo que queres viver e entrar numa Jornada de descobrir o que te impede de manifestar aquilo que desejas. 

Existem 500 mil razões diferentes e podemos ficar na vitimização à espera que alguém nos venha salvar, o que não irá acontecer, até que decidamos salvar-nos a nós mesmos. E quando damos esse passo, objetivo, sentido em todos os centros do nosso corpo, então podemos começar a procurar pelos sinais de Deus, aquele Amigo de longa data que esquecemos que tínhamos. E não é de admirar, com tanta mentira contada, dos castigos que ele nos dá… Que nos tenhamos afastado d’Ele. E do Dinheiro. E da nossa Felicidade. Nada acontece por acaso.

Se na tua mente inconsciente está que o dinheiro é mau e que os ricos são ladrões e más pessoas (crenças que absorvemos inconsciente-mente pela religião), obviamente, por mais que lutemos, a ausência do dinheiro será a constante. 

Ou então quando ganharmos muito dinhei-ro, o sentimento de culpa será tão grande (como me acontecia a mim há uns 10 anos atrás) que o teu inconsciente não descansará até te veres livre de todo o dinheiro. Poderá vir a multa inesperada, mas que a nível de condicionamento é totalmente esperada. Muito dinheiro merece castigo (isso o que o teu inconsciente acredita) então vamos lá atrair um castigo à menina e menino mal comportado (lá atraímos a multa ou outra coisa que nos faça gastar o dinheiro em excesso).

É grave, é triste e até revoltante. Essa revolução que precisei fazer na minha vida para desbloquear o fluxo de dinheiro tu também podes fazer na tua. Não basta ter consciência, é preciso fazer trabalho mais profundo.

Do pouco que sei da cultura judaica, e abstendo-me de julgamentos culturais, a verdade é que os judeus são regra geral bem inteligentes, cerca de 30% dos ganhadores do Prêmio Nobel de Medicina são judeus. Este é um dado significativo considerando-se que apenas 0,3% da população mundial é judia. 

Os judeus são também excelentes empresários. Em Israel, a inovação é resultado da “chutzpá”: a ousadia para desafiar a opinião do outro, questionar verdades e discutir sobre algo que não necessariamente é colocado em discussão. O que digamos que não é algo estimulado pela religião católica… Nem nos nossos ambientes de trabalho… Ainda me lembro de uma amiga me contar que a sua enfermeira-chefe lhe tinha respondido “enfermeiro não pensa, faz sem questionar”, quando ela sugeriu uma melhoria num dos processos do serviço.

E não ficamos por aqui, sabemos também que os Judeus, apesar de constituírem menos de 1% da população mundial, detêm 52% das riquezas do mundo. Isso tem a ver com mentalidade, com pensamen-tos de escassez versus pensamentos de abundância. A religião cató-lica e a sociedade onde estamos inseridos estimula a escassez.

Por exemplo, quando vês outra pessoa a ganhar muito dinheiro… Tens a sensação que vai faltar para ti? Ou se por exemplo encontras uma forma de ganhar muito dinheiro. Guardas o segredo a 7 chaves, te-mendo que outra pessoa ganhe mais do que tu?

Outro exemplo é quando sentes incómodo só de ver alguém a vender, a oferecer algo para alguém, e, ou te sentes assim porque rejeitas as vendas ou pelo pensamento de que esta pessoa vai ganhar dinheiro enquanto tu não.

Isso são exemplos de pensamento de escassez. É quando tens a sensação que vai faltar, que está a acabar, que não há para todos. E o que tu acreditas, é o que realmente acontece para ti. Isso é a fé que a Bíblia explica. Acredita, e terás.

Interessante também lembrar que Jesus Cristo era Judeu, e os primei-ros 5 capítulos da Bíblia Católica que os Cristãos chamam de Penta-teuco, é a Torá Judaica, palavra que significa lei, ensino ou instrução. Agora, a mentalidade ensinada é bastante diferente… E isso também tem a ver com a própria história da Religião Cristã, que só se tornou importante e visível cerca do ano 312 D.C com o imperador Constan-tino, que ficou conhecido como o primeiro imperador romano a professar o Cristianismo. 

Há muitas teorias, sendo que uma aponta para a sua escolha como uma forma de controlar as massas… O que não deixa de ser… Interes-sante. E é sobre essa influência que temos vivido… O controlo pelo medo, pela culpa, pela separação com Deus e com o outro.

Pelo contrário, se vamos analisar as pessoas ricas, já te deste conta que elas têm o hábito de indicar, falar bem das pessoas que conhe-cem? Pessoas ricas indicam, vendem produtos e serviços que nem são delas… Simplesmente pelo hábito de compartilhar. Pela menta-lidade de Abundância e de Fazer o Bem. É preciso acreditar no com-partilhar. Não só dinheiro, mas também conhecimento, informação. Quanto mais tu compartilhares o que te faz bem, mais daquilo tu terás. Isso é pensamento de abundância.

Os Judeus também acreditam que são administradores dos recursos de Deus, e quanto melhor administrarem esses recursos, mais receberão. Potente não é? Alta crença empoderadora! Então se um deles é muito rico, é porque Deus confiou nele para administrar esta riqueza. Mas administrar para quê? Para a obra de Deus. E qual é a obra de Deus? A Missão de Alma de cada pessoa… Contribuir, com o seu Propósito, o seu Plano de Alma, para um Mundo Melhor.

A cultura judaica ensina e acredita que Deus ama a todos os seus filhos, todos nós fomos escolhidos para estar aqui, somos a sua criação, e fomos feitos à sua imagem e semelhança. Deus não castiga, ele apenas dá. E para isso basta pedir. Ele está sempre ajudando seus filhos necessitados.

Por isso os Judeus destinam uma boa parte de tudo o que ganham para doações, porque acreditam que assim estão a ajudar Deus, a ajudar. Acreditam que são instrumentos de Deus aqui na Terra. Então quando doam, são sócios de Deus em sua obra divina. E quanto mais doarem, mais Deus enviará para eles, porque estão fazer um excelente serviço ao Mundo.

E não só… Os judeus são discretos, enfrentam as dificuldades e partem para a ação em vez de reclamar ou vitimizar-se. Quando encontram uma oportunidade, entram em ação no momento, não deixam para depois. Sabem que sem conhecimento e ação, não há como prosperar. Os judeus sabem muito bem disso e praticam a humildade. Reconhecem o que sabem, mas são humildes para admitir que não sabem tudo. Por isso estudam a vida toda sem parar. 

Qual o resultado disso? Boa relação com o Dinheiro e até atribuição de Prémios Nobel numa percentagem incrível em comparação com o resto da população. É um fenómeno. Que deve inspirar-nos e em abundância, elevar-nos até ao nível seguinte da nossa evolução, aprender sem julgar.

O sucesso não é obra do acaso, ou da sorte. É um caminho que todos podemos aprender, se tivermos abertura, humildade e compromisso suficiente para aprender de outros e partilhar aquilo que sabemos.

Sabendo que negócio é negócio e que se queremos que valorizem o que temos para dar, precisamos também valorizar os outros e aprender a sair desses condicionamentos tão limitantes aos que todos fomos sujeitos, ao nascer e ser batizados como católicos.

Há um forte condicionamento energético também, o batismo é um grande ritual de iniciação… E o batismo católico é limitante. Procuro sempre levar os meus clientes a fazer um outro nível de batismo, um batismo espiritual que nos possa limpar e purificar de tudo aquilo que não é verdade, aos olhos do Deus que é Amor e Expansão.

Em 2018, senti uma necessidade imensa de criar um Programa que fosse simples, económico e ao mesmo tempo eficaz, para ajudar o “Iniciado” na área da Liberdade Financeira a limpar os seus condicionamentos e abrir Caminho para uma Vida de Plena Abundância, em União Matéria e Espírito. 

É uma Viagem Iniciática e Espiritual, com muitas práticas de descondi-cionamentos mental e emocional, mas também energético. 

Foi-me revelado o Método ARIA – Ativação Rápida Integral e Alinhada e com esse Método criei 12 Meditações de Ativação dos 12 Códigos de Prosperidade que me foram revelados

Criei este programa online a dar o melhor de mim e a pensar no que eu gostaria de ter recebido há 10 anos atrás quando comecei esta caminhada rumo à Abundância. Com esses dois pressupostos, sei que está um belo resumo que te poupará tempo de investigação e te poupará dinheiro, porque já não precisarás de atrair mais situações de castigo inconsciente e perda de dinheiro. Estarás a trabalhar direta-mente com a fonte desses resultados e a mudar dentro para manifes-tar a realidade que queres atrair fora.

Seja qual for a situação que estás a viver agora, acredito que não estás a ler este artigo por acaso. Chegaste até aqui porque Deus está a querer passar-te uma mensagem. Se calhar a mensagem que és digno e és digna e que mereces mais do que estás a viver agora mesmo. Coloca a mão no teu coração e sente se te abres a receber e a transformar a tua vida na direção de melhores condições econó-micas. E se a resposta é sim, clica no link em seguida e adquire este programa online. 

Com Fé. Tu consegues. É para ti. Vais libertar-te de muitos condicionamentos e aprender mais sobre o dinheiro e como alcançar a liberdade financeira. 

Vai dar-te essa oportunidade em 2020? Fazemos essa viagem juntos? 

Vais receber inúmeros benefícios, entre os mais importantes estão:

  • Deixar de ter ansiedade ao pensar e trabalhar com dinheiro.
  • Aprender a respeitar o dinheiro, sem deixar ele controle a tua vida.
  • Mudar a mentalidade de que dinheiro só vem com trabalho duro e esforço.
  • E o mais importante… Sabes quando as coisas parecem que estão bloqueadas? Ao mudar a tua mentalidade, vais abrir o canal da prosperidade. E da liberdade financeira. 

Se tiveres alguma questão, não hesites em contactar-nos em info@andreiaviana.com. Se calhar também vais gostar de saber que ao adquirir este programa estás a contribuir para a abertura da Fundação da Escola da Abundância e contribuir para o projeto “Amor Animal” de ajuda a todos os animais abandonados, partilhar, dar e receber é o segredo de toda a Abundância. 

Não fiques de fora. E lembra-te: Tu és Digna, Tu és Digno. Deus Ama-te e É Feliz quando Tu és Feliz. Não te limites. Tu és capaz de muito mais do que aquilo que possas imaginar. 

O Dinheiro e a falta dele estão ao Serviço de Deus, ao serviço do teu crescimento e evolução espiritual. Está nas tuas mãos, mudar o teu destino.

Clica aqui para dar início a essa Grande Aventura Iniciática e partilha este artigo com todos aqueles a quem amas e gostarias de contribuir para a sua Vida de Abundância.

https://andreiaviana.com/programa-clf

Com imenso Amor, Liberdade e Respeito,
Andreia Viana

8 comentários em “O Dinheiro (e a falta dele) ao Serviço de Deus”

  1. Fantástico!!! Gostaria de saber se existe algum livro que me possa guiar neste caminho. Que ao ler me ‘ilumine’ e me dê suporte nesta caminhada?

    Responder
    • Olá Isabel!
      Gratidão pela mensagem!

      Querida, a Andreia respondeu a tua pergunta numa LIVE, corre lá no grupo “Vive uma Viva em Plena Abundância… Agora!” no Facebook pra ver qual é o livro que ela te indica.

      Abraço Imenso!

      Responder

Deixe um comentário

error: Content is protected !!